Política

22 de Janeiro de 2022 às 13:53:44h

Mais cinco secretários devem deixar governo Mauro Mendes para concorrer à eleição de outubro

Ainda sem data marcada para deixar o comando da Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Inovação (SECITECI), o ex-prefeito por dois mandatos de Glória D´Oeste, Nilson Borgatto (PSD), sinaliza que irá concorrer a uma vaga na Câmara Federal. A  construção do projeto, segundo o social democrata, vem sendo trabalhada pelas lideranças do seu partido, que têm como líder o senador Carlos Fávaro.

Nas eleições municipais, Borgatto mostrou sua força política ao eleger a esposa Gheyza Borgatto como como prefeita de Glória D´Oeste. Mas, para viabilizar sua candidatura, o titular da Secitec terá que dribrar seu correligionário, o advogado Irajá Lacerda , filho do ex-deputado estadual José Lacerda e um dos articuladores da candidatura de Neri Geller (PP) ao Senado, que já acenou que pretende  disputar a Câmara Federal.

“Não vou tomar nenhuma decisão que não seja favorável para o grupo. Se houver o entendimento de que eu devo concorrer, estou pronto, mas se o grupo, numa análise macro, definir que não devo concorrer, e isso não representar nenhum risco para o projeto, estarei pronto também. Sou um soldado”, sentenciou.

Com a pré-candidatura a Assembleia Legislativa em pleno vapor, o titular da secretaria de Estado de Agricultura Familiar, Silvano Amaral (MDB), já tem data definida para deixar o governo, dia 28 de fevereiro

Amaral atuou no parlamento estadual entre 2014 e 2018 pelo MDB, tentou a reeleição em 2018, quando obteve 18.068 votos, ficando com a segunda suplência da coligação. Ele chegou a assumir em junho de 2020, com o licenciamento de Thiago Silva.

Alexandre Bustamante, que comanda a Segurança Pública de Mato Grosso em três governos distintos, pode ser a grande surpresa nas eleições de outubro. Informações de bastidores dão conta de sua intenção a concorrer à Câmara dos Deputados pelo União Brasil (fusão do DEM com PSL). Os líderes da legenda já se manifestaram positivamente à sua candidatura, mas o policial federal, conhecido por seu perfil técnico, ainda não se manifestou publicamente sobre o assunto.

Juliano Jorge, presidente da Companhia Mato-Grossense de Mineração (Metamat), é outro que deverá desembarcar do Estado. Ele também concorrerá a uma das 24 cadeiras da Assembleia de Mato Grosso com o apoio do irmão, Romaldo Júnior, primeiro suplente da coligação, que atualmente ocupa a vaga do deputado licenciado Dilmar Dal’ Bosco (DEM).

Tanto Juliano quanto o advogado Wener Kesley dos Santos, diretor-presidente da MT Participações e Projetos (MT PAR) ainda não definiram a data para deixar o Executivo estadual. O prazo para desincompatibilização dos gestores se encerra em 2 de abril.

NOMES ANUNCIADOS

Tanto o secretário de Cultura, Esporte e Lazer, Adalberto Machado, o Beto Dois a Um, quanto o secretário de Saúde de Mato Grosso, Gilberto Figueiredo, já anunciaram que deixam o staff em breve para concorrer a uma vaga no Legislativo estadual. Gilberto fica até 31 de janeiro, data já informada, inclusive. Já Beto Dois a Um informou que saíra entre fevereiro e março.

Outros possíveis nomes descartaram a mudança, como o secretário de Educação, Alan Porto.

Fonte: Da Assessoria