Política

11 de Novembro de 2021 às 08:00:00h

Emanuelzinho deixa comando do PTB em MT e sinaliza que pode sair do partido

O deputado federal Emanuelzinho renunciou ao cargo de presidente estadual do PTB, um dia após o Supremo Tribunal Federal (STF) ter afastado Roberto Jeferson da presidência nacional da legenda. De acordo com o parlamentar, a sua saída do comando da agremiação no Estado, se deve ao posicionamento político da direção nacional.

"Em virtude de posicionamentos do partido nos quais não me sinto representado, entendo que não é mais tempo de estar à frente da presidência estadual do partido", disse em seu comunicado.

De acordo com o parlamentar, as divergências internas o impede de seguir na organização e ampliação do partido em Mato Grosso.

"Pelo exposto estou colocando o cargo de Presidente do PTB à disposição da sua Executiva Nacional, ao tempo em que agradeço a todos pelo apoio que nunca me faltou durante esta jornada partidária. Deixo meu agradecimento pela confiança ao meu trabalho pelo estado de Mato Grosso, o respeito aos membros do partido que contribuem cada um à sua maneira com a política brasileira e meu respeito a história que construí e vivi à frente da presidência estadual até aqui", concluiu.

Apesar de não comunicar, a carta de Emanuelzinho tem um tom de despedida, sinalizando que poderá deixar o partido e buscar outra legenda para disputar sua reeleição.  A crise entre Emanuelzinho e o PTB nacional se escancarou após a carta de Roberto Jeferson, de dentro da prisão, o acusando de participar de um complô para tomar o comando da sigla.

Na carta, Jeferson acusou Emanuelzinho de ser 'dissimulado', 'mentiroso' e 'canalha'.   Isso porque Emanuelzinho, juntamente com os  deputados Nivaldo Albuquerque (PTB-AL), Pedro Geromel (PTB-CE), Wilson Santiago (PTB-PB), José Costa (PTB-PA) e Antônio Albuquerque (PTB-AL), iniciaram um movimento 'conspiratório' para tomar o controle do partido e administrar o Fundo Partidário de R$ 20 milhões que a sigla tem em caixa.

"Formou-se um grupo conspiratório, após minha prisão, que sendo minoria sem peso na Convenção ou Diretório, tentou levar para o judiciário pretensões que não resistem ao mínimo enfrentamento no Partido, foro adequado para essa querela", diz trecho da carta antes de criticar cada parlamentar.

"Quanto ao Emanoelzinho, é zinho mesmo, quero lembrar uma passagem bíblica, os frutos revelam a árvore. Árvore ruim fruto ruim. Quem sai aos seus não degenera. O Zinho Emanoel, sempre que testado dissimulou; sempre que dissimulou mentiu; sempre que mentiu traiu um compromisso conosco. Uma pena, tão jovem, tão canalha", disse Roberto Jeferson após ter criticado os demais parlamentares .

Leia o comunicado na íntegra: 

"Observo que concluímos com êxito a missão coletiva que me foi designada de dirigir o Partido Trabalhista Brasileiro – PTB de Mato Grosso. No entanto, em virtude de posicionamentos do partido nos quais não me sinto representado, entendo que não é mais tempo de estar à frente da presidência estadual do partido.

As diferenças que nasceram até aqui, me impedem de trabalhar pela expansão necessária do PTB no estado. Pelo exposto estou colocando o cargo de Presidente do PTB à disposição da sua Executiva Nacional, ao tempo em que agradeço a todos pelo apoio que nunca me faltou durante esta jornada partidária.

Deixo meu agradecimento pela confiança ao meu trabalho pelo estado de Mato Grosso, o respeito aos membros do partido que contribuem cada um à sua maneira com a política brasileira e meu respeito a história que construí e vivi à frente da presidência estadual até aqui.

Emanuel Pinheiro Neto"

 

Fonte: Gazeta Digital