Política

22 de Fevereiro de 2021 às 10:56:55h

Mauro diz que não irá seguir sugestão de Bolsonaro pela redução de impostos: "medida populista"

O governador Mauro Mendes (DEM) não irá seguir a sugestão do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) pela redução do PIS/Cofins sobre combustíveis. Mauro classificou a medida como “populista” e disse que não faz medidas pensando nas eleições de 2022.

A proposta do presidente Jair Bolsonaro é pela redução do PIS/Cofins dos combustíveis para que haja uma diminuição no preço ao consumidor. Ele sugeriu que “outros” sigam o exemplo e reduzam os tributos.
 
O governador Mauro Mendes explicou que a situação dos Estados é diferente da União. Segundo ele, os Estados não podem se dar ao luxo de diminuir a arrecadação. Em entrevista para o radialista Lino Rossi, da Rádio Conti, nesta segunda-feira (22), Mauro citou que o Governo Federal fechou o ano com déficit de R$ 700 bilhões.
 
“Eu não quero entrar aqui em uma polêmica com o nosso presidente Jair Bolsonaro, mas veja bem, no ano passado o Governo Federal fechou o ano com o maior rombo da história do Brasil, com mais de R$ 700 bilhões de déficit, ficou devendo porque teve que ir a banco pegar dinheiro emprestado. O problema é que o Governo Federal pode fazer isso, governos dos Estados e Municipais não podem. Então ele gasta, faz o que acha que deve e o que o Congresso autoriza fazer, e se falta dinheiro ele faz algumas assinaturas lá, emite título e emite dívida para outros pagarem”.
 
“Quando o poder público, seja municipal, estadual ou federal administra mal, quem paga a conta é a população, pode escrever, essa conta vai chegar em algum momento, então quando ele chega agora e fala que vai abaixar isso ou aquilo, ele abaixa e vai lá e emite papel, mas se eu abaixo vou fazer o que? Como vou consertar as estradas depois?”, explicou o governador.
 
O governador afirmou que não irá seguir a recomendação de Bolsonaro. Mauro disse que não faz medidas pensando nas eleições de 2022.
 
“Eu não vou fazer medida populista, vou tomar as medidas corretas, se puder diminuir algum imposto nós iremos diminuir, eu também não gosto desse tal de imposto, eu sou cidadão, sou empresário, também pago imposto, nós pagamos. Agora, o que eu estou fazendo em Mato Grosso é devolver para o cidadão os investimentos e o dinheiro de quem paga na forma de imposto”.

Fonte: Olhar Direto