Política

05 de Dezembro de 2018 às 15:35:42h

Mauro avisa que terá dificuldades para quitar dívida de R$ 1,9 bi deixada por Taques

Democrata alerta que "buraco financeiro" pode inviabilizar Estado

O governador eleito Mauro Mendes (DEM) comunicou que sua equipe de transição está finalizando juntamente com a equipe do governador Pedro Taques (PSDB) as modificações necessárias na Lei Orçamentária Anual (LOA). Mesmo com os cortes já anunciados, o democrata prevê que fechará o primeiro ano de sua gestão com um déficit de R$ 1,5 bilhão.

Estimativas do democrata indicam que o déficit deixado pelo tucano ao democrata seja de R$ 1,896 bilhão. “Nós estamos finalizando com a equipe do atual governador, através dos técnicos da nossa transição. Primeiro um orçamento real, que realmente possa trazer na sua peça toda realidade da receita para 2019”, pontua o governador em entrevista após uma reunião com o presidente da Assembleia Legislativa, Eduardo Botelho, e demais parlamentares nesta quarta-feira (04). 

Durante avaliação realizada pela equipe, Mendes constatou que mesmo com alteração na LOA, Estado fechará este ano com um imenso "buraco orçamentário e financeiro". “Toda a realidade da despesa programada que obrigatoriamente vai acontecer em 2019 e que preliminarmente os números que estão sendo apresentados é que já temos um déficit que supera a casa de R$ 1 bilhão. Ou seja, já começamos o ano sabendo que vai faltar quase que R$ 1,5 bilhão para fechar as contas em 2019. No relatório, consta que falta R$ 1,8 bilhão para o fechamento da conta já de 2018”, alerta.

No entanto, ele afirma que, com a previsão de 2019, é possível que muitas das dívidas deixadas pelo tucano não sejam quitadas no primeiro ano da adminitração de Mauro. “Hoje existem centenas e milhares de fornecedores sem receber; atraso aos poderes sendo registrados há três anos; atraso aos municípios  de R$ 160 milhões de repasses obrigatórios a saúde que não foram feitos. Enfim, existem dezenas de indícios reais verdadeiros que comprovam que existe uma defasagem entre aquilo que se gasta e o dinheiro que se tem para pagar”, frisa. 

Mendes explica que tem mostrado aos poderes o cenário de dificuldade econômica de Mato Grosso e o esforço que a futura gestão tem feito para poder colocar a casa em ordem. “Estamos cortando secretarias e  vamos demitir mais de três mil cargos comissionados, funções gratificadas, temporários, para que nós possamos buscar esse equilíbrio. É isso que tenho dito aos poderes. Todo mundo precisa ajudar Mato Grosso nesse momento, não só o Executivo tem que fazer esse esforço”, conclamou ao pedir que os demais poderes também cortem "gorduras".

O governador eleito destaca que um dos objetivos da visita ao Legislativo foi de dialogar com os parlamentares e mostrar os problemas e as alternativas que está preparando para 2019. “Estamos dialogando para mostrar isso e as medidas que teremos de tomar para ajudar Mato Grosso a sair dessa dura realidade”, afirma.

Fonte: FolhaMax