Geral

15 de Abril de 2019 às 09:20:27h

Deputada critica senadora cassada: "nunca representou as mulheres"

Única representante do sexo feminino na Assembleia Legislativa de Mato Grosso, que é composta por 24 parlamentares, a deputada Janaina Riva (MDB) defende que as mulheres participem mais da política disputando e ocupando cargos eletivos. Por outro lado, avalia que a senadora Selma Arruda (PSL), eleita em outubro de 2018 e agora cassada por caixa 2 e compra de votos, nunca representou a classe. 

Dessa forma, acredita que se a cassação imposta pelo Tribunal Regilnal Eleitoral (TRE-MT) for mantida pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e houver nova eleição, quem perde é Mato Grosso, mas não o segmento feminino. A senadora foi cassada por gastos de R$ 1,3 milhão praticados antes e durante a campanha de 2018, mas não declarados na prestação de contas.

E também por causa de um "empréstimo pessoal" de R$ 1,5 milhão junto ao seu primeiro suplente Gilberto Eglair Possamai (PSL). Os valores também foram aplicados na campanha e o empréstimo não constou na prestação de contas oficial. 

Sobre os fatos que levaram dois adversários políticos de Selma, Sebastião Carlos Gomes (Rede) e Carlos Fávaro (PSD), a ingressaram com duas ações eleitorais que foram juntadas num único processo julgado procedente com parecer favorável do Ministério Público Eleitoral (MPE), Janaina acredita que "qualquer um está suscetível a cometer crime eleitoral". 

Observa que não tem relação com o gênero. "Talvez a falta de experiência tenha feito com que ela acabasse cometendo esse erro grosseiro de crime eleitoral. Porque acabou até formalizando um caixa 2", diz a parlamentar. 

Sobre a cassação do diploma de Selma, a deputada ressalta ser preocupante porque foi uma senadora eleita democraticamente. "É uma representante mulher, apesar de não abraçar essa causa do empoderamento feminino que acho que deveria ser uma obrigação de todas as mulheres. Então, acredito que o prejuízo na verdade é mais para o Estado do que para as mulheres em si. Afinal de contas, não tinha uma pauta positiva com relação às mulheres", critica. 

Ainda reprovando a postura de Selma Arruda, a deputada diz observar que em alguns casos os senadores homens acabam comprando mais a luta feminina do que as próprias mulheres dentro do Senado. "Não acho que seja uma perca pras mulheres, mas pro Estado tenho certeza que é sim". 

Por fim ela avalia que o caso da senadora cassada também gera desgaste para Mato Grosso porque se a decisão do Tribunal Regional Eleitoral for mantida, terá que ser realizada uma nova eleição. Janaina foi questionada sobre a situação da senadora quando falava sobre a possibilidade de vir a assumir a presidência da Assembleia Legislativa a partir do dia 22 deste mês quando Eduardo Botelho (DEM) vai entrar de licença por quatro meses.

Ela quer servir de exemplo para outras mulheres e incentivar uma participação maior nas discussões políticas e nas disputas eleitorais. "Essa questão do empoderamento, de votar em mulher, esse sentimento está cada vez mais forte e tem que estar. Muitos Estados sequer têm mulheres em parlamento e aqui só temos uma. A Câmara Municipal de Cuiabá não tem nenhuma e por ser a Capital deveria ter uma participação mais efetiva feminina pela facilidade de trânsito político. Então, é claro que para as mulheres sem dúvida nenhuma é um marco histórico e é a primeira vez que uma mulher vai assumir a presidência da Assembleia", observou.

Fonte: Folha Max Cuiabá