Geral

12 de Agosto de 2017 às 10:16:22h

Parque em Barra guarda mistérios, cachoeiras e é marcado pela religiosidade

Parque Estadual da Serra Azul não chega a ser místico como a Serra do Roncador mas, sem dúvida, é um local exuberante para quem gosta de curtir a natureza na sua essência. Localizado no perímetro urbano de Barra do Garças, a Unidade de Conservação administrado pela secretaria estadual de Meio Ambiente (Sema) está, temporariamente, interditada, porém, não esconde a sua beleza natural quando se chega à cidade.

Formada por uma cadeira rochosa, considerada um dos braços da Serra do Roncador, a Serra Azul, que deu origem ao parque pela Lei nº 6.439 de 31 de maio de 1994, engloba uma área de 11 mil hectares de cerrado rochoso, onde se explorava pequenas propriedades rurais para a criação de gado. As áreas rurais desapropriadas deram lugar a preservação.

De cor predominantemente azul, origem do nome Serra Azul, o Parque Estadual é rico em diversidade, que vão desde as inúmeras cachoeiras, saltos e trilhas, a sítio paleontológico e grutas; rampa de parapente, entre outras. A fauna também é rica em animais silvestres, como tamanduá-bandeira, lobo-guará, tatu, macacos, seriemas e até populações de onças-pintadas, como registros já ocorridos, além de pequenas espécies de peixes nos lagos das cachoeiras, num total de 11 cadastradas pela Sema-MT.

Religiosidade

Duas imagens, a de Cristo, com cerca de 16 metros, uma de Nossa Senhora de Fátima, de menor estrutura e uma escadaria com 1,3 mil degraus, simbolizam o Parque da Serra Azul como ponto de peregrinação de fiéis, não só nos dias normais, mas, principalmente, na Sexta-Feira da Paixão, quando milhares de pessoas escalam os degraus serra acima para pagar promessas feitas e graças recebidas pela intercessão de Cristo e de Nossa Senhora.

Desde 2014, a subida da serra tem sido restrita apenas aos militares da Aeronáutica que mantém uma base no local com um radar responsável pelo monitoramento do espaço aéreo regional. Neste ano, porém, com autorização da Justiça, a população pôde ter o prazer de escalar a escadaria na Sexta-Feira Santa para o ritual religioso, que se tornou uma tradição no município há mais de 50 anos.

Secom/BG

Escadaria Serra Azul Barra do Gar�as

Escadaria do Parque Serra Azul tem pelo menos mil degraus em meio às grandes paisagens

Ufologia

Embora o misticismo seja mais deslocado a Serra do Roncador (62 km de Barra do Garças), o Parque da Serra Azul também dá lugar para a ufologia. Há registros de aparições de objetos voadores não identificados que deu origem, pela visão do ex-vereador, ex-deputado, ex-senador e ex-prefeito Valdon Varjão, a um projeto inusitado no Brasil: um discoporto, uma espécie de aeroporto para extraterrestres.

No alto do parque, ergueu-se uma réplica de um disco voador, ponto que é resguardado como área do discoporto e um dos locais mais visitados da serra por turistas e pela população da região para matar a curiosidade e tirar fotografias por uma das janelas de uma “nave” existente no local.

Visitação e interdição

Considerado o segundo ponto turístico mais visitado de Barra do Garças (34 mil pessoas entre os meses de janeiro a julho de 2014), perdendo apenas para o Parque Municipal das Águas Quentes, o Parque Estadual da Serra Azul está interditado desde o final de 2014 por recomendação do Ministério Público Estadual(MPE) para que obras estruturais sejam executadas para a sua reabertura, o que ainda não tem data prevista.

A gerente do parque, Cristiane Schnepfleitner informou que a Sema-MT, por meio da Gerência Regional do Parque Estadual da Serra Azul tem estabelecido parcerias visando executar obras e serviços para a reabertura da Unidade de Conservação.

“Estão sendo firmados termos com o 3ª Promotoria de Justiça Cível de Barra do Garça, as OSCIP's Associação dos Amigos dos Animais (AAA) e Aliança da Terra (AT), além de termos com a Prefeitura de Barra do Garças visando cooperação na gestão administrativa e com a SECITEC e IEFMT/Campus de Barra do Garças propondo parceria para o receptivo dos visitantes”, disse a gerente.

Segundo Cristiane, o Conselho Consultivo do Parque também está ativo com a participação de instituições públicas e da sociedade civil organizada para auxiliar nas ações de gestão ambiental e reabertura do parque, que ela espera que possa ocorrer o mais breve possível.

Reabertura

Embora ainda não tenha previsão de reabertura, a direção do parque trabalha em quatro pilares para garantir a sua revitalização da estrutura física, que consiste na reforma da guarita da entrada principal (em execução), guarita da Escadaria da Fé (plantas e início da obras aprovadas), ampliação e adequação do Mirante do Cristo Redentor (plantas e início das obras aprovadas), manutenção da estrada interna de acesso do Mirante do Cristo Redentor (manutenção emergencial executada em parceria com a Prefeitura e projeto para readequação em parceria com a coordenação do Curso de Engenharia Civil da UFMT/Campus Araguaia) e reforma do Centro de Visitantes.

“Incêndio ocorrido há alguns anos consumiu boa parte da Serra, que já renasceu”

Ainda estão sendo trabalhados a assinatura do Termo de Cooperação Técnica com a Prefeitura para apoio na gestão da Unidade de Conservação com a cessão de servidores e prestação de serviços básicos de manutenção, além da formalização de parcerias com instituições de ensino para auxiliar nas vistas de campo, ações de educação ambiental e recepção do visitante.

 

Proteção

Cristiane Schnepfleitner destaca também que ações de prevenção e proteção estão sendo trabalhadas para garantir a preservação do parque. Ela explicou que termos formalizados com o MPE, AAA e AT, com o apoio da 1ª Companhia Independente do Corpo Bombeiros e Prefeitura garantem a existência de uma equipe de brigadistas para a execução de ações de monitoramento, prevenção e combate a incêndios florestais na área e na Área de Preservação Ambiental Pé da Serra, que integra o parque.

O Parque Estadual margeia Barra do Garças e além do acesso pela Escadaria da Fé, é possível o deslocamento de carro por estrada pavimentada e cascalhada. Contudo, a visitação depende justamente do projeto em execução. A contemplação, por enquanto, é apenas visual, o que é uma pena.

Fonte: RD News

Vídeo