Esportes

18 de Junho de 2017 às 10:02:07h

Com Ketleyn, Contini e Penalber, Brasil leva dois ouros e um bronze no GP de Cancún

A exemplo do primeiro dia, Brasil volta a conquistar três medalhas no torneio mexicano neste sábado. Mayra Aguiar retorna às competições no domingo após bronze na Rio 2016

A exemplo da sexta-feira, quando levou três medalhas - duas pratas, com Sarah Menezes e Phelipe Pelim, e um ouro, com Gabriela Chibana -, o Brasil foi muito bem neste sábado no Grand Prix de Judô de Cancún, no México. Ao todo, foram três medalhas, sendo duas de ouro, com Ketleyn Quadros e Marcelo Contini, e uma de bronze, com Victor Penalber.

A primeira delas veio com Ketleyn Quadros, na categoria 63kg. Ela venceu a britânica Amy Livesey por um ippon. Antes disso, passou pela hondurenha Cergia David e pela britânica Lubjana Piovesana por um ippon e pela eslovena Andreja Leski na semifinal por um wazari. Na decisão, a brasileira chegou a levar uma punição por passividade, forçou duas à adversária e, em seguida, acertou um golpe e, por um ippon, conquistou seu primeiro ouro no Circuito Mundial da Federação Internacional de Judô (IJF) em 2017, somando mais 700 pontos no ranking.

Logo depois, o judoca Marcelo Contini garantiu o terceiro ouro brasileiro na competição. Foi na categoria 73kg. Com um ippon por imobilização na final contra o israelense Tohar Butbul, ele foi ao topo do pódio. Para chegar à decisão, o brasileiro venceu o chileno Thomas Bringas (1 wazari e ippon), o mexicano Eduardo Araujo (1 wazari) e o espanhol Javier Ramirez (1 wazari), na semifinal. Alex Pombo (73kg) e Vinícius Panini (81kg) também lutaram neste sábado, mas não avançaram às disputas pelo pódio. Pombo caiu na primeira luta, e Panini na segunda.

 Victor Penalber sai com medalha de bronze (Foto: IJF /  Divulgação)

Victor Penalber sai com medalha de bronze (Foto: IJF / Divulgação)

Victor Penalber levou a terceira medalha do dia ao derrotar o americano Jack Hatton. Foi por dois wazaris na disputa do bronze. Ele só não venceu uma luta no Grand Prix de Cancún, no México, por conta de um shido no golden score contra o argentino Emmanuel Lucenti, na semifinal. Ele vinha bem com vitórias sobre Noel Pena, da Venezuela, e Juan Turcios, de El Salvador.

Na disputa da categoria -70kg, Barbara Timo foi quinta colocada. Ela chegou a vencer a dinamarquesa Emilie Sook por dois wazaris (Babi tinha uma penalidade). Mas acabou sendo derrotada por Elvismar Rodriguez, que luta pela Federação Internacional de Judô, com três penalizações contra nenhuma de sua adversária. Assim, foi para a repescagem, onde encontrou Sara Rodriguez, da Espanha. Dessa vez, saiu vitoriosa por um ippon. Na luta pela medalha de bronze, encarou Gemma Howell, da Grã-Bretanha, e foi superada após levar uma imobilização. Também na categoria -70kg, Amanda Oliveira eliminou a ex-número um do mundo, a canadense Kelita Zupancic, por um ippon, na estreia, mas caiu para Gemma Howell nas quartas. Ela teve novo revés na repescagem contra a belga Roxane Taeymans.

 Bárbara Timo é derrotada e fica em quinto lugar no torneio de judô (Foto: IJF)

Bárbara Timo é derrotada e fica em quinto lugar no torneio de judô (Foto: IJF)

No domingo, lutam: Bruno Mendonça (90kg), Eduardo Bettoni (90kg), Luciano Corrêa (100kg), David Moura (+100kg), Rochele Nunes (+78kg) e a medalhista olímpica Mayra Aguiar (78kg), que retorna às competições após o bronze conquistado na Olimpíada do Rio, em 2016 (saiba mais aqui). As preliminares começam às 12h (de Brasília), e as finais serão às 19h.

O Grand Prix de Cancún dá 700 pontos ao campeão de cada categoria e naipe no Ranking Mundial da Federação Internacional de Judô. É a última competição da seleção brasileira antes da disputa do Campeonato Mundial de Budapeste (entre agosto e setembro).

Fonte: Ge